Bolsonaro é incluído em lista internacional de ‘predadores da liberdade de imprensa’

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email

Relatório elenca 37 chefes de Estado ou de governo que ‘impõem uma repressão em massa da liberdade de imprensa no mundo’, entre eles Kim Jong-un, Nicolás Maduro e Bashar al-Assad

O presidente Jair Bolsonaro entrou para uma lista de chefes de Estado ou governo considerados “predadores da liberdade de imprensa”. A Repórteres Sem Fronteiras (RSF), uma das mais respeitadas organizações internacionais em defesa da liberdade de informação, afirmou que Bolsonaro dificulta a vida de jornalistas desde que assumiu o cargo (e que a agressividade atingiu novos níveis na pandemia).

Segundo a ONG, a marca registrada do presidente brasileiro é insultar, difamar e humilhar jornalistas vistos como muito críticos ao governo. O perfil de Bolsonaro na página da RSF diz que apoiadores do presidente lançam ataques sexistas contra jornalistas mulheres e que um dos alvos frequentes é a Globo.

Entre as 37 pessoas na lista de “predadores da liberdade de imprensa” também estão ditadores e líderes autoritários como: os presidentes da Venezuela, Nicolás Maduro, e o da Rússia, Vladimir Putin; o primeiro-ministro da Hungria, Viktor Orbán; e os ditadores da Coreia do Norte, Kim Jong-un, e da Síria, Bashar Al-Assad (veja aqui a lista completa).

Além de Bolsonaro e de “tiranos veteranos”, como Kim Jong-un e Putin, a edição 2021 do relatório cita pela primeira vez duas mulheres e um europeu (veja no vídeo acima e mais detalhes abaixo). O último relatório da ONG tinha sido publicado em 2016.

Todos os 37 chefes de Estado ou de governo citados restringem a liberdade do exercício do jornalismo com a “criação de estruturas de censura, a detenção arbitrária de profissionais da mídia e a incitação à violência contra os jornalistas”, afirma a ONG internacional.

Há inclusive “predadores” que estão diretamente ligados a assassinatos de profissionais da mídia, como o príncipe herdeiro da Arábia Saudita, Mohammed bin Salman, envolvido na morte atroz do jornalista saudita Jamal Khashoggi.

A lista completa pode ser acessada aqui.