Rede de Proteção de Jornalistas e Comunicadores

Mulher agride repórter da Globo na tentativa de impedir gravação de matéria sobre racismo

A agressão ocorreu dentro do Fórum Criminal de Niterói, no Rio de Janeiro, espaço no qual o jornalista tinha autorização para trabalhar

Por: Isabela Alves

O repórter Erick Rianelli, da TV Globo, foi agredido enquanto produzia uma cobertura no Fórum Criminal de Niterói, no Rio de Janeiro. A autora da agressão foi a defensora pública aposentada Cláudia Alvarim Barrozo, acusada de cometer racismo contra dois entregadores. 

Em maio deste ano, a réu foi flagrada insultando os trabalhadores negros que faziam entregas no condomínio onde ela mora, em Niterói. Ela usou o termo racista “macaco” para ofendê-los e a cena repercutiu por todo o país. 

Barrozo foi agressiva com a equipe e tentou impedir que as imagens fossem gravadas. Ela atingiu o rosto do repórter ao dar um tapa no telefone que ele estava usando para gravar a matéria. 

A agressão ocorreu dentro do Fórum, espaço no qual os jornalistas tinham autorização para trabalhar. O jornalista ficou com um ferimento no nariz e os óculos foram danificados ao caírem no chão devido à agressão. Além de Erick, a mulher avançou contra Raoni Alves, do G1, tentando o acertar com um chute. 

Pelas redes sociais, Pedro Figueiredo, também repórter da Globo e marido de Pedro, manifestou apoio afirmando que o jornalista está bem após o ocorrido.

Fonte: Abraji e Portal Making Of

Imagem: Reprodução Redes Sociais/Via Splash Uol

Pular para o conteúdo