Rede de Proteção de Jornalistas e Comunicadores

Julgamento dos acusados do assassinato de Valério Luiz é adiado novamente

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email

A nova audiência foi remarcada para o dia 2 de maio e ocorrerá no auditório do Tribunal de Justiça de Goiás (TJ-GO)

Por: Isabela Alves

O julgamento dos acusados do assassinato do radialista Valério Luiz de Oliveira foi adiado novamente, em Goiânia. A sessão estava marcada para acontecer às 8h30 na segunda-feira (14), mas foi remarcada minutos antes do horário previsto para começar, porque o advogado responsável pela defesa do réu Maurício Sampaio deixou o caso. 

O crime ocorreu no dia 5 de julho de 2012. O jornalista foi assassinado a tiros após sair do estúdio da Rádio Bandeirantes 820 AM – no qual trabalhava. Segundo o inquérito policial, o crime ocorreu após o radialista ter feito fortes críticas sobre o Atlético Goianiense, time de futebol local. 

Após quase 10 anos do ocorrido, o julgamento foi adiado por outras duas vezes: na primeira, o adiamento ocorreu em 2019, quando o juiz responsável pelo caso alegou que não haveria como comportar o julgamento devido à repercussão no local. O segundo adiamento ocorreu em junho de 2020 por conta da pandemia de Covid-19.

A nova audiência foi remarcada para o dia 2 de maio e ocorrerá no auditório do Tribunal de Justiça de Goiás (TJ-GO). O advogado do réu Maurício Sampaio, Thales Jayme, informou que a defesa anterior do cliente não alegou motivos para deixar o processo. Ele informou ainda que o réu, suspeito de ser o mandante do crime, tem total interesse que o julgamento seja realizado.

Os cinco acusados do crime são: Maurício Sampaio, ex-vice-presidente do Atlético-GO e atual vice do conselho de administração do time e apontado como mandante; Urbano de Carvalho, acusado de contratar PM que teria matado Valério; Ademá Figueiredo, cabo da Polícia Militar acusado de ser contratado para matar o cronista; Marcus Vinícius Pereira Xavier, açougueiro, que teria participado do planejamento do crime; e Djalma da Silva, PM denunciado por atrapalhar as investigações.

Fonte: G1

Skip to content