Rede de Proteção de Jornalistas e Comunicadores

Jornalista negra e lésbica é chamada de “macaca” em cartazes em pontos de ônibus

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email

Mensagem estava escrita a mão em folhas de caderno e com erros ortográficos na cidade de São Pedro da Aldeia

Por Gabriela Costa

Jornalista foi alvo de ataque racista através de cartazes feitos a mão e colados em pontos de ônibus da cidade de São Pedro da Aldeia, na região dos Lagos do estado do Rio de Janeiro. Renata Cristiane de Oliveira é mulher, negra, lésbica e também colunista e editora de ‘O Dia’ e foi chamada de “macaca.”

Ela foi avisada dos cartazes por um seguidor das suas redes sociais na sexta-feira passada (01 de julho). Encontrou duas folhas de caderno coladas em dois pontos de ônibus, uma tinha a frase “Renata Cristiane. Reporte Macaca. Lá Cabo Frio (sic)”, enquanto a outra continha um versículo bíblico.

“Tentei arrancar os cartazes, mas havia muita cola. Tive que pegar um colorjet [tinta em spray] e passar por cima para apagar a manifestação de ódio”, contou a jornalista à Abraji.

Renata escreve sobre a região dos Lagos há 20 anos e esse não foi o primeiro ataque que sofreu, porque recebe muitas mensagens violentas, principalmente pela internet. Casada com uma mulher branca, a jornalista também já foi julgada pela cor de sua pele e pela maneira de se vestir perto de sua companheira.

Ela também contou em entrevista que as agressões pioraram com a chegada do período pré-eleitoral. “Tento não dar palco para esse tipo de ofensa, mas quando a coisa sai das redes para o ponto de ônibus não dá para ignorar.”

O prefeito da cidade, Fábio do Pastel, prestou solidariedade à jornalista em uma rede social: “Venho a público expressar meu repúdio a qualquer ato de racismo, por palavras ou atitudes em nosso município. Recebi com tristeza a informação sobre manifestações racistas em um cartaz fixado em via pública no nosso município. Isto é inaceitável! O respeito pelo ser humano é indiscutível.”

A jornalista ainda não decidiu se vai realizar uma denúncia formal em uma delegacia.

Histórico de Ataques

Em 2020, Renata foi atacada novamente, desta vez, por um autor conhecido: o deputado estadual Mauro Bernardo Oliveira (DC-RJ). Ela foi chamada de “mentirosa” depois de republicar uma reportagem da Veja sobre quais parlamentares faziam parte da base política do governador da época, Wilson Witzel.

Depois da publicação do texto, áudios anônimos foram enviados para a jornalista. Um deles, em tom de ameaça, dizia: “Renata Cristiane, os ossos do seu corpo estão com os dias contados. O Bernardo vai quebrar, vai desossar seu osso todinho [sic].”

A Abraji e a OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) acompanharam os ataques do político, registrados em vídeo. A jornalista entrou com uma ação criminal de difamação contra o parlamentar. Somente em maio deste ano houve uma audiência no Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, quando Renata foi aconselhada pelo Ministério Público a aceitar um acordo com o político.

A justiça determinou que Mauro Bernardo Oliveira deveria gravar um vídeo se retratando publicamente. Mas segundo Renata Cristiane o conteúdo publicado continha apenas um agradecimento à jornalista por ter retirado a queixa e não atendeu aos critérios do acordo. Por conta disso, a defesa da jornalista entrou com uma nova petição para que o parlamentar cumprisse a sua parte.

Fontes: Abraji, O Dia e FENAJ

Skip to content