Rede de Proteção de Jornalistas e Comunicadores

Estudo aponta que 98% dos jornalistas negros têm dificuldades para se desenvolver na carreira

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email

Levantamento “Perfil Racial da Imprensa Brasileira” apontou que apesar da população brasileira ser majoritariamente negra, apenas 20,10% desta população está presente nas redações

Por Isabela Alves

No Brasil, 98% dos jornalistas que se declaram como pretos ou pardos consideram que os profissionais negros enfrentam mais dificuldades em suas carreiras do que os colegas brancos. 

Entre as dificuldades apontadas está a cultura da empresa que privilegia brancos, a chefia que sempre é branca, a discrminação pela aparência e o ambiente de trabalho majoritariamente branco. 

A afirmação foi divulgada no estudo “Perfil Racial da Imprensa Brasileira”, realizado pelo Jornalistas&Cia, Portal dos Jornalistas, Instituto Corda e I’MAX. O mapeamento ouviu 1.952 profissionais.

A pesquisa buscou fazer uma análise sobre as redações brasileiras, como por exemplo, quantos jornalistas negros e de outras etnias atuam nas redações do país, como se situam as hierarquias das redações e qual é o impacto desse perfil na produção jornalística nacional. 

A pesquisa apontou que mais da metade dos profissionais entrevistados (57%) sofreram algum tipo de discriminação nas redações. As ações racistas mais relatadas foram preconceito racial em geral, discriminação pela aparência, discriminação no tratamento profissional e assédio racial. 

85% das entrevistadas que são mulheres negras relataram situações de racismo e machismo. Entre os problemas enfrentados estão a misognia e racismo, assédio, identificar a mulher como incapaz ou inapta a profissão, e discriminação no tratamento profissional. 

Em relação a escolha de pautas e fontes que definem as notícias, os entrevistados identificaram que as escolhas são enviesadas pela recusa de temas ligados a questões raciais e que existem preferências por fontes brancas.

O racismo no ambiente de trabalho 

A população brasileira é majoritariamente negra (56,10%). No entanto, segundo os dados do censo do PNAD/IBGE, apenas 20,10% desta população está presente nas redações. A expressiva maioria (77,60%) se autodeclarou branca. 

Ainda, 61,3% da população branca ocupa os cargos gerenciais nas redações. A pesquisa identificou que, ao contrário dos jornalistas brancos, os profissionais de imprensa negros são maioria (60,2%) em cargos operacionais, como se repórter, redator e produtor. 

A disparidade entre jornalistas negros e brancos em cargos gerenciais também é alarmante: De acordo com a pesquisa, a faixa salarial mais básica – de até R$ 3.300,00 – predomina entre os profissionais negros (41,7%). O percentual é quase o dobro se comparado à proporção relativa dos profissionais brancos, sendo que somente 22,9% se encontram nessa faixa.

Fonte: Abraji

Skip to content