Rede de Proteção de Jornalistas e Comunicadores

FIJ lança campanha internacional por jornalistas condenados à morte no Iêmen

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email

Quatro profissionais da imprensa foram condenados após realizar reportagens sobre as violações de direitos humanos da guerra no Iêmen e condições de vida no país

Por: Isabela Alves

A Federação Internacional dos Jornalistas (FIJ) e o Sindicato dos Jornalistas do Iêmen (YJS) estão promovendo uma campanha global para pressionar o movimento houthi a libertar quatro jornalistas iemenitas presos no país tomado pela guerra.

Os jornalistas foram condenados a pena de morte por realizar reportagens sobre as violações de direitos humanos da guerra no Iêmen e condições de vida no país.  

Em junho de 2015, os jornalistas Abdul-Khaleq Omran, Akram al-Walidi, Harith Hamid e Tawfiq al-Mansoori foram capturados, na capital Sanaa. Em abril de 2020, o tribunal houthi os condenou à pena capital, sob acusações de “traição e espionagem para estados estrangeiros”.

Entidades de direitos humanos apontam que os quatro profissionais já sofreram tortura física e psicológica, além de “negação sistemática do direito à visita e do acesso a cuidados médicos”.

As associações sindicais irão enviar uma mensagem aos representantes da Organização das Nações Unidas (ONU) e dos Estados Unidos no Iêmen para que a soltura dos jornalistas se torne uma questão urgente em suas agendas.

Em nota oficial, a FIJ afirmou: “Acreditamos que esta é uma campanha crucial que, se bem-sucedida, salvará a vida de quatro colegas, mas também enviará uma mensagem de esperança aos trabalhadores da mídia iemenita que lutam todos os dias para relatar o que se tornou uma guerra silenciada”.

A guerra no Iêmen fez com que o país se tornasse um dos mais perigosos para jornalistas, sendo que ao menos 19 profissionais de imprensa foram mortos no país desde o início da guerra civil, em 2014. 

Os conflitos entre os rebeldes houthi, o chamado governo legítimo, e os separatistas do Sul têm exacerbado a crise humanitária no país. As forças houthi são formadas pelos seguidores do movimento político-religioso Ansar Allah e tentam controlar o Iêmen após a saída de Ali Abdullah Saleh.  

Para assinar e ler a Carta Aberta completa, clique aqui. 

Fonte: FENAJ e UOL

Skip to content